O fogo apagou

Não há com que se queimar

O fogo está apagado

Não há o que avaliar

Eu ponho ao meu lado

A culpa

Que me deixa estagnada

E se ocupa

Em me corroer

Me toca à nuca

Com sua mão gelada

Fico paralisada

Olho para às unhas que vou roer

Para matar o tempo da ansiedade

Tento esquecer

A vaidade

Seu gosto, seu desgosto

E lembrar à idade

Dos romances assim

Que seja por hora marcada ou não

Quase sempre chegam ao fim

Estou frágil como a folha seca

No vendaval que domino aqui dentro

Talvez o fim

Compense o sentimento

Que se expande em mim

Estou nua!

E posso ver:

Minha intuição não estava errada

Sempre foi só eu

No frio

Eram meus passos naquela madrugada.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s